sábado, 21 de fevereiro de 2009

de regresso à cidade que me dá a liberdade respiratória visual, de que tanto preciso para sobreviver; encontro-me nos preparativos para a festa: de peruca loira à brigitte e lábios encarnados, oiço Coltrane nos anos '60, fumando um cigarro...enquanto acabo uma litrosa.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

#12

ontem, no piolho:
-olhe, posso lhe comprar o gorro?
-não não, é o que me salva neste frio.
-e eu a pensar que hoje enfiava o barrete!
então vou ter que ir a outra loja.
-pois vai.
-pois é, para ver se hoje chego quente a casa!
Regras do desafio:

a) Linkar o blogue que nos desafiou (http://greatestdancer.blogspot.com/)
b) Reproduzir as regras do desafio
c) Contar seis coisas aleatórias sobre nós
d) Indicar seis blogues para o desafio
e) Avisar os mesmos de que foram desafiados

Coisas sobre mim:
1)Hoje acordei com baba seca no canto da boca.
2)Há noites em que sou confidente de estilistas portugueses.
3)Estou podre.
4)Às vezes tenho um problema na fala.
5)Sou uma grande cara-de-pau.
6)Não me apetece desafiar ninguém.

Toma lá, Mr.M.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

resposta a postal para peste

Its terrible, I admit that
but its true.
To love is to have your own heart
kill or nearly kill you.
You will never see me pause
for today is people, for today is laws;
within, the man is master who
is a prisioner out there;
and I take gladness only through
the law I own and cannot share.

You are not mine till you are yours
in love? not yet
If its still me-for-you you choose
you hang weighs upon my neck.
Business, though, sacred, is business: the thing
I need now is: All for nothing!
Anything else is two selves running a hidden fight;
I want more: you, becoming part and parcel of my fate.

I am tired, I am sick, I am suspicious of one and all;
my faith has given up its patience
though I perhaps desire you still.
If you would allay my fears,
all my disguts, this is for your ears:
show me how the last humility
and sacrifice
are for joy, show me your ability
to contradict a world I despise.

For until you need one minute
with yourself alone,
till you dare you think you can win it,
till you regret the life you have known
till you stopo being an object
lying there dead and abject:
till then you are no better, no more,
than all the rest,
till then a stranger at my door,
till then irrelevant at best.

Let the law save those who are
good as their fellow-men;
beyond the law, like an animal,
be like that, I will love you then.
Like a lamp that is turned off, you
shouldnt be if I dont need you to;
dont complain. dont even see
a prison that is invisible;
and I in my mind will guarantee
that you forgive my ruthless rule.

Lörinc Szabó

OH YEAH!

postal para peste

cara amiga:
a nossa história resume-se à canção "quizás quizás quizás":
Siempre que te pregunto
Que cuándo cómo y dónde
Tú siempre me respondes
Quizás, quizás, quizás

Y así pasan los días
Y yo desesperado
Y tú, tú, contestando
Quizás, quizás, quizás,

Estás perdiendo el tiempo
Pensando, pensando
Por lo que más tú quieras
Hasta cuando, hasta cuando

Y así pasan los días
Y yo desesperado
Y tú, tú contestando
Quizás, quizás, quizás

e porquê, quando só desejamos ser levadas, sem pensar porquê ou onde? exemplares de conceitos de "feminino":
de gestos delicados, animalescos, quando necessário.
espirito "pure like f****** snow!", com uma pitada de veneno.
vitórias de samotrácia com rasgos de pj harvey
soul woman e ice queen numa só.

tão quebradas, que já nem medo temos - só nos enerva pensar em futuros reboliços emocionais. always the same drill. já farta (apesar de terem o seu encanto, após a passagem da tempestade).
há dias, uma mulher de barba, sem queixo, dentes podres e madeixas coloridas, perguntou-me se eu não cantava o fado. e lembrei-me do nosso fado-core. e pensei - nota-se?
pois há-de se notar, debaixo do brilho inocente dos nossos olhos. porque é assim que somos e é assim que seremos - sábias, criaturas ingénuas, de loucura e sensatez.

um beijo quente na testa e um abraço esmagador.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

os miúdos são os MAIORES.
quanto mais chatos os pais, piores são.

hoje, no caminho para casa, sentaram-se à minha frente uma mãe e um filho, com cerca de 6 anos - equipado com óculos mega graduados e galochas do homem-aranha.

a mãezinha querida passou quase o tempo todo:

não faças isso, que ainda cais!
não faças isso, que molhas a mão!
não faças isso...
não faças isso...
não faças isso...!

mas num momento de distracção da mãezinha, olhei à minha frente, e vi algo de extraórdinário:
o miúdo estava a enfiar o dedinho indicador na boca, retirando um bom bocado de cuspo, e utilizando-o para desenhar sobre o vidro embaciado do autocarro.

maravilhoso.

não consegui conter o riso.
e a mãezinha querida ficou sem saber do grande feito do seu filhinho.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

a minha personalidade é composta de opostos. luz e trevas.
o que tanto me confunde como me diverte.

um sentido de humor negro combinado com um romantismo primaveril.